- Ache os Cursos e as Faculdades certas para você! Clique aqui!

- Bolsas de Estudo - são mais de 1.200 faculdades oferecendo descontos de até 75%! Saiba mais!

Versão para impressão     Enviar para um amigo    

Home : Artigos

Abusos e falta de cuidados na infância podem repercutir na saúde futura


Fonte: Imprensa UFPel



Acontecimentos adversos na infância, como abusos (físico, sexual e emocional) e negligência (falta de cuidados), podem causar obesidade, câncer e diabetes na fase adulta. A aluna do doutorado em Epidemiologia da UFPel Ana Luiza Gonçalves Soares avaliou a ocorrência de acontecimentos sofridos na infância e a relação destes com a quantidade de gordura presente no corpo durante a adolescência.


Foram investigados sete desses acontecimentos em todos os nascidos em 1993 em Pelotas: abuso físico, abuso sexual, negligência física, negligência emocional, violência doméstica, separação dos pais e morte dos pais. A pesquisadora observou que aproximadamente 85% dos adolescentes referiu pelo menos um tipo desses acontecimentos adversos e a separação dos pais foi o acontecimento mais comum (42%), seguido de negligência emocional (20%) e violência doméstica (10%).


As meninas relataram maior número de acontecimentos do que os meninos. Os adolescentes com mães que tinham menos estudo, não tinham parceiro/companheiro na época do nascimento, fumaram na gravidez e tinham problemas de saúde mental, bem como aqueles adolescentes que eram negros ou pardos e mais pobres foram os que relataram mais acontecimentos adversos durante a infância. Além disso, notou-se que aqueles que haviam vivenciado um tipo de acontecimento tinham mais chance de ter sofrido outro tipo também. Por exemplo, aqueles que sofreram violência doméstica também relataram ter sofrido abuso físico.


Ao estudar em mais detalhes a separação dos pais (evento mais relatado por todos), Ana Luiza notou que os filhos de pais separados eram os tiveram mais chance de fumar diariamente – um fator de risco importante para o desenvolvimento de diversas doenças no futuro, especialmente doenças cardiovasculares.


A pesquisadora também comparou os dados dos adolescentes de Pelotas com adolescentes ingleses, ambos com a mesma idade. Ao avaliar a relação entre os acontecimentos na infância e a quantidade de gordura no corpo na adolescência, observou que aqueles que tinham sofrido acontecimentos adversos na infância tinham quantidade de gordura semelhante àqueles que não vivenciaram nenhum tipo de abuso ou falta de cuidados. Entre os adolescentes ingleses, aqueles que referiram abuso físico e violência doméstica tiveram maior circunferência da cintura e índice de massa corporal (IMC) aos 15 anos do que aqueles que não sofreram esses acontecimentos, mas, em Pelotas, as medidas foram parecidas em ambos os grupos (que sofreram e que não sofreram abusos).


Apesar dos resultados mostrarem pouca relação entre acontecimentos adversos na infância e gordura corporal na adolescência, este problema ainda pode ocorrer na vida adulta. Alguns autores acreditam que na adolescência existe um “período de latência”, no qual o desenvolvimento da gordura no corpo, por ter sofrido alguns acontecimentos adversos na infância, poderá ocorrer mais tarde na vida adulta. Mais estudos são necessários para melhor entender a partir de quando os efeitos na gordura do corpo começam a aparecer.





Versão para impressão     Enviar para um amigo